Tuesday, 31 January 2012

'Rio Fantasia' 1957


RIO FANTASIA – 1957

Sinopse: três jovens musicos nordestinos [Trio Yrakitan] e a irmã de um deles [Eliana] vem tentar a sorte no Rio de Janeiro. Com bom humor e muita música eles enfrentam as dificuldades da cidade. 


João Dias canta 'Salomé'
Angela Maria canta: 

"Rio Fantasia" tem pelo menos duas grandes fantasias-musicais comandadas pelo maestro Lirio Panicalli. A primeira é o quadro descaradamente hollywoodiano de Eliana imitando Carmen Miranda cantando 'Baião' em inglês, que apareceu em 'Nancy goes to Rio' de 1950. Os trejeitos e a pronúncia de Eliana assemelham-se muito à de Miranda, inclusive com o 'caco' 'ca-room-pa-pa' que Carmen 'inventou' para os intervalos da musica de Humberto Teixeira.

Lia [Eliana] e  João [do Trio Yrakitan] 


O ambiente da pensão onde Lia e os três rapazes do Trio Yrakitan se hospedam é francamente chegado a uma Broadway, pois, de-repente, quase do nada, alguem resolve cantar e já aparece um piano em rodinhas sendo empurrado para a sala principal. Os rapazes do Trio empunham seus instrumentos de percussão e 'the show is on the road' como se fosse um antigo musical da MGM dos tempos do 'Andy Hardy' com Judy Garland e Mickey Rooney. A dona da pensão é a 'stage manager' [diretora de palco] e uma das senhoras pensionistas toma comando do piano.

A fantasia-musical 'Rio' encenada no final é quasi-ufanista e apoteótica. A gente tem a impressão de que todo o mundo gosta do Rio... e que a cidade-maravilhosa é a coisa mais linda do mundo. 'Rio Fantasia' pode não ser uma obra-prima, mas é muito gostoso de se ver e ouvir.

João, Gil e Zezé, a empregada da pensão.

Menção honrosa deveria ser dada a participação de Renato Murce como o chefe da emissora de TV, que curte uma paixão secreta por Lia [Eliana, sua espôsa na vida real], mas sabe que tem pouca chance devido ao charme e juventude do guapo John Hebert [Carlos], que é o mocinho verdadeiro do filme.

João do Trio Yrakitan, bem que tenta se tornar o namoradinho de Lia, mas muito embora ele fosse bem bonitinho, acaba perdendo para o John, que é um pão.

Murce, apesar de quarentão, tem um sex-appeal distinto, lembrando aqueles atores alemães do tipo Erich von Stroheim, que usavam monóclos e eram altamente sofisticados nos filmes norte-americanos dos anos 30 e 40. Murce joga todo seu charme em cima da Lia quando pensa que ela tinha se desencanado do John, e está para declarar seu amor à moçoila quando ela, num rompante, revela que secretamente ainda ama Johnny. Murce é salvo de uma situação constrangedora, aproxima-se os pombinhos e o filme termina num ever-lasting happy ending – um final plenamente feliz.Os rapazes do interior ficam famosos na TV e a mocinha fica com o mocinho.
Renato Murce

Eliana [Lia]
John Hebert [Carlos]
Trio Yrakitan - Edinho, João e Gil
Renato Murce
Catalano
Zezé Macedo 
Madame Lou
Rosa Sandrini
Helba Nogueira
Oswaldo Louzada
Ely Augusto
Inah Malagutti
Francisco Moreno
Turco Fernandinho
Luiz Almeida
Ventura Ferreira
Alvaro Costa
Margarida Rumões
Jairo Argileu
Arlindo Duarte
Francisco Santori
Francisco Ciciliano
Mario Loureiro
Flora Almeida
Terezinha Magalhães
 



Monday, 30 January 2012

"Êsse milhão é meu" - 1958



"Esse milhão é meu" – filme-comédia de 1958, dirigido por Carlos Manga. Embora seguindo em geral o estilo da chanchada típicas dos trabalhos de Oscarito, o diretor Manga e o roteirista José Cajado Filho inseriram alguns elementos de 'flime noir' americano, principalmente na perseguição final em um prédio abandonado. Nos números musicais: Francisco Carlos e Altamiro Carrilho & sua bandinha.

SINÓPSE

Felismino Tinoco [Oscarito] é um servidor público dedicado, casado com Gertrudes [Margost Louro]uma mulher megera. Na mesma casa vivem também a sogra faladeira Augusta [Zezé Macedo], Janjão, o sogro dissimulado e Sueli, a sobrinha-estudante, que namora Silvio [Francisco Carlos], seu colega de classe no colégio.

Ao chegar para mais um dia de trabalho, Felismino é surpreendido com a notícia de que ganhara um prêmio de um milhão por te conseguido ir ao trabalho uma semana sem faltar. Os amigos o convencem a ir comemorar o prêmio no Sevilha Club, numa casa noturna. No meio da bebedeira, onde Oscarito dá um verdadeiro show de flamenco, ele se envolve com vedette Arlete [Sonia Mamede], que entra em conluio com seu amante trapaceiro Juscelino [Augusto Cesar Vanucci] para chantageá-lo e ficar com o dinheiro. A sobrinha acaba descobrindo a trama e tenta ajudá-lo lutando contra o bandido, que a sequestra, fazendo com que todo colégio persiga o fascínora num  final apoteótico.


Oscarito [escapulindo], Zezé Macedo e Afonso Stuart.

Fiquei agradávelmente surpreso ao constatar que Francisco Carlos, também conhecido como 'El Broto' nos tempos dos auditórios da Radio Nacional, convence como ator. Ele encarna bem o papel de Silvio, o colegial namorado de Sueli, um rapaz de bem, contrapondo-se ao mau-caratismo declarado do personagem vivido por Agildo Ribeiro, que faz tudo para complicar a vida escolar dos pombinhos.

Silvio [F.C.] canta 'Flor amorosa' acompanhado pela bandinha de Altamiro Carrilho, que não poderia ter mais que 24 anos então. O número faz parte de um show organizado pelos alunos para arrecadar fundos para a festa de formatura do curso colegial.

Quando Silvio fica sabendo que a namorada fora sequestrada pelo fascínora Juscelino – não se pode ignorar aí uma alusão cabotina ao nome de Juscelino Kubitschek, o Presidente da República em 1958 - começa-se uma típica 'chase' [perseguição] bem ao estilo norte-americano, com lambretistas e carros à toda velocidade, tentando alcançar o bruta-montes competentemente personificado por Cesar Augusto Vanucci,com seu terno preto, camisa prêta e um bigodinho marôto. A rapaziada chega a lembrar os 'play-boys' de então com suas lambretas, como que anunciando que o rock'n'roll chegara p'ra ficar, embora não faça parte da trilha-sonora.

1958 é o ano que a 'youth-culture' – cultura da juventude de inspiração norte-americana  - se firma no Brasil, principalmente entre estudantes de classe média das principais capitais do país.

Francisco Carlos surgiu na hora errada. Se ele tivesse aparecido cinco anos depois, talvez, tivesse já gravado o rock'n'roll em vez de baladas açucaradas ainda do tempo do fox-trot. 

 Sonia Mamede como a boazuda da Arlete.

Elenco:

Oscarito: Felismino Tinoco
Sônia Mamede: Arlete
Miriam Teresa: Sueli, a sobrinha
Francisco Carlos: Silvio
Zezé Macedo: Augusta, a sogra
Margot Louro: Gertrudes, a esposa megera
Afonso Stuart: Janjão, o sogro atrapalhado
Augusto Cesar Vanucci: Juscelino, o fascínora
Agildo Ribeiro: o aluno mau-carácter
Ribeiro Fortes
Armando Nascimento
Derek Wheatley: professor
Altamiro Carrilho

English synopsis:

The life of a civil servant changes radically when he receives a huge prize for being assiduous at work. He gets involved with a showgirl, is wrongly accused of a crime and his niece is kidnapped by a villain.